Pages

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Como eu era antes de você - O filme

Oi pra começo de conversa acho que tenho que explicar porque fiquei tanto tempo sem postar no blog,acho que tive uma “ressaca” da blogosfera, quando comecei o blog a quase 3 anos não tinha a menor idéia do que acontecia no mundo dos blogs literários ai me esbaldei me entupi de likes,siga que eu te sigo, comenta que comento de volta,inscrições e mais inscrições para conseguir parcerias com editoras,não me entendam mal acho muito legal querer transformar o blog em algo reconhecível e rentável mas este nunca foi meu objetivo para o Gavetas de pensamentos,tudo que quero fazer no blog é trocar idéias sobre coisas que gosto como livros,filmes e séries,isto posto vamos ao post de hoje que sobre o filme Como eu era antes de você,eu sei todo mundo já falou quase tudo sobre este filme mais muita gente se pergunta qual a visão de um cadeirante sobre o filme já que sou uma vou dar minha opinião,primeira coisa que notei foi a cadeira de banho do Will é linda ! Brincadeirinha mais pra quem é deficiente estas coisas fazem muita diferença.
Atuação de Sam Claflin como tetraplégico estava ok sem exageros apesar de as vezes passar a impressão de que poderia levantar da cadeira a qualquer momento já Emilia Clarke me pareceu muito caricata, cheia de caras e bocas o tempo todo parece só ter encontrado o tom do personagem no final do filme.
O filme tem cenas muito engraçadas principalmente no inicio do filme, como entretenimento o filme cumpre muito bem sua missão com um figurino ótimo principalmente os sapatos da lou e uma trilha sonora de arrepiar.
Já sobre o o assunto suicídio assistido e cadeirantes o filme não trás nada de relevante para discussão pois não tem nenhum contraponto a decisão Will de acabar com a própria  vida qual não sou contra nem a favor pois cada pessoa tem uma maneira diferente de lidar com as dificuldades da vida mais de qualquer forma acho muito chato que em pleno 2016 a vida de um deficiente seja retratada como se fosse um castigo de divino e que não valha apena ser vivida com plenitude e amor alem de tudo o livro e o filme são fantasiosos neste aspecto pois se uma pessoa deseja dar cabo da própria vida jamais se permitiria se envolver amorosamente com outra pessoa.
Nós pessoas reais com deficiência lutamos para que tanto na vida real quanto em filmes,livros e séries nossas vidas sejam retratadas com a maior veracidade possível mais sem reforçar apenas o lado negativo por este motivo eu gostaria que também fosse mostrado no filme que existem pessoas que lidam muito bem com suas deficiências.


Bom acho que desta vez me alonguei demais acho que estava com saudades de escrever aqui. Até mais Bjos

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigada pela visita, volte sempre

Pesquise aqui!